amores no fim do livro

nosso amor é inconstitucional
você querendo meu bem
e eu querendo teu mal.

nosso amor parece vão
você ai sem céu
e eu aqui sem chão.

nosso amor é vicioso
você ai insensata
e eu aqui orgulhoso.

nosso amor é paradoxal
você querendo pouca coisa
e eu etecetera e tal.

nosso amor é respiração
você sugando minha alma
e eu empurrando ela com a mão.

seu jogo, seu vicio,
assim,
a rotina de nosso amor,
mesmo que chova, nem que o autor morra,
é o fim.
(Bruno Silva, Maio 2010)

Beirut - Elephant Gun

5 comentários:

garoto cientista disse...

Adorei o poema, parabéns, e a ilustração, muito inspiradora para quem é apaixonado pela leitura e aprendizado de novas coisas, o livro é sempre uma inspiração.

Anônimo disse...

embriaguez!

Lilyca disse...

Apaixonante, envolvente, real...adorei!

lu trevejo disse...

muito lindo
vou te seguir

Dil Santos disse...

Oi Bruno, tudo bem?
Menino, amei o poema, achei ótimo ele.
E a música tbm, acho ela perfeita, adoro ela, rs.
Abraços
:)